-A A +A
Alegre - ES

Credenciamento de docentes

Norma geral da UFES (Credenciamento e Recredenciamento de Docentes):Os docentes dos Programas de Pós-graduação devem produzir trabalhos científicos e tecnológicos de valor comprovado de acordo com os critérios estabelecidos pelos órgãos internos e externos de acompanhamento e avaliação da Pós-graduação.
Os docentes devem estar cadastrados na Plataforma Lattes do CNPq e devem manter seu Currículo Lattes atualizado, informando sua produção científica e tecnológica no mínimo duas vezes por ano (até 30 de junho e até 31 de dezembro).
Os docentes de Programas de Pós-graduação são classificados em duas categorias: Professores Permanentes e Professores Colaboradores.
Após a criação do Programa de Pós-graduação, a inclusão, o desligamento e a categorização dos professores que fazem parte do corpo docente deverão ser aprovadas pelo Colegiado Acadêmico respectivo.
Os critérios de permanência e categorização dos docentes deverão ser estabelecidos no Regimento Interno de cada Programa, levando em consideração as diretrizes de sua área de avaliação da CAPES.
A categorização dos docentes se dará anualmente.
O ato de solicitação de adesão de um docente a um Programa de Pós-graduação será formalizado pelo preenchimento do Termo de Concordância para “Participação em Curso de Pós-graduação” previsto nos Anexos I e II do Regulamento Geral de Pós-Graduação.

Norma do Programa para o Credenciamento e Recredenciamento de Docentes:

Critérios de Credenciamento e Descredenciamento do PPEQ
Conforme previsto no artigo 48 da resolução 11/2010 do CEPE

Tendo em vista a avaliação periódica do curso pela CAPES e considerando-se os critérios utilizados por este órgão, utiliza-se a seguinte fórmula para o cômputo da nota do docente, ND, baseada nas informações do último triênio (3 anos anteriores mais os meses do ano da data da avaliação, que é normalmente realizada no mês de fevereiro):

ND = 4N1 + N2 + N3 + 3N4 + 0,5N5 + 2N6 + N7 + 0,4N8 + 6N9 + 0,25N10 + 4N11 + 3N12 + N13

Onde:
N1 – É bolsista de produtividade CNPq ou pesquisador capixaba? 1 – Sim; 0 – Não.

N2 – Número de vezes que ministrou disciplinas no programa de pós-graduação no triênio (satura em 8).

N3 – Número de projetos de pesquisa financiados (não inclusos os projetos só com bolsa de IC) no triênio (satura em 4).

N4 – O docente realiza todas as 4 atividades seguintes? Atividades: orienta mestrado no PPEQ; ministra aula no PPEQ; participa de projeto de pesquisa; publicou trabalho completo (fora trabalho em congresso de IC). 1 – Sim; 0 – Não.

N5 – Número de orientações de IC no triênio (saturado em 9).

N6 = N(1 – V/12), onde: N é o número de dissertações orientadas pelo docente no PPEQ e defendidas no triênio; V é o tempo médio, em meses, de defesa destas dissertações diminuído de 24.

N6 satura em 6 e não pode ser negativo.

N7 = Número de artigos em revistas A1, A2, B1 ou B2 com discente e/ou egressos do PPEQ ou da graduação em Engenharia Química da UFES.

N8 - Número de Publicações com discentes (do PPEQ ou da graduação em Eng. Química da UFES) ou egressos em revistas com classificação mínima de B5 (Saturado em 15 no triênio).

N9 = A1 + 0,85A2 + 0,7B1 + 0,5B2 + 0,2B3; sendo ambos, B2 e B3, saturados em 5 no triênio.

N10 – Número total de publicações de trabalhos completos, excluindo-se resumos em congressos e trabalhos em congressos de iniciação científica (Saturada em 24).

N11 - O professor tem alguma publicação em revistas A1, A2 ou B1? 0-Não; 1-Sim.

N12 – Número de Patentes registradas. Se mais de um docente for autor da patente, a nota será dividida pelo número de docentes envolvidos.

N13 – O docente tem algum projeto de extensão financiado ou tem parceria formal com pesquisadores de outro programa ou de centro de pesquisa? 0-Não; 1-Sim.

Observações:
- Para a classificação da revista, considera-se o QUALIS da área Engenharias II.
- Uma publicação tem seu valor dividido pelo número de docentes do programa que são autores da mesma, à exceção do cálculo da nota N11.
- Os coeficientes da fórmula são baseados nos pesos da CAPES para a nota final do programa, levando-se em conta que algumas notas foram definidas como 0 (zero) ou 1 (um) e outras podem assumir valores mais elevados, como por exemplo o número de patentes versus a produção em revistas classificadas como A1, A2 ou B1. Mais além, considerou-se qual o índice que o programa precisa obter para conseguir o conceito muito bom.

As avaliações de todos os docentes serão anuais e realizadas no mês de fevereiro, data em que poderá ocorrer a modificação da situação do docente (permanente para colaborador e vice versa, inclusão no programa ou exclusão do programa). Os resultados deverão ser apreciados pelo colegiado do curso.

O docente do PPEQ que ficar um ano e meio (3 semestres consecutivos) sem ministrar alguma disciplina do programa ou orientar algum discente do mesmo será excluído do PPEQ, independente do valor de ND.

Para o docente ter garantida a condição de docente permanente seu ND deve ser no mínimo 22. Observa-se que o número de docentes permanentes não pode ser inferior a 8 e neste caso, passarão para colaboradores os docentes permanentes com os menores valores de ND até que se tenha 8 docentes permanentes. Se um docente colaborador atingir ND=22 na avaliação anual e quiser integrar o corpo permanente, o mesmo deve apenas solicitar a mudança ao colegiado do PPEQ. Este limite de 22 é o limite inferior para o docente permanente e foi baseado nos critérios apresentados pela avaliação da CAPES em 2013. Ressalta-se que este valor poderá ser revisto futuramente, caso haja modificação dos critérios da CAPES ou se todos os docentes permanentes se mantiverem com nota próxima a este limite.

Uma das condições para o docente permanecer como colaborador é ter ND igual ou superior a 10, considerando-se a restrição de que o programa não deve ter menos que 11 docentes. O desligamento do docente com nota inferior a 10 (desde que o número de docentes do programa seja superior a 11) ocorrerá na avaliação anual depois de vencida a carência de 3 anos de permanência do docente na PPEQ. Além desta condição, o colaborador com menor valor de ND será desligado do programa na avaliação anual se o número de colaboradores for superior a 30% do número total de docentes do PPEQ (mesmo que ND seja superior a 10).

Para um docente ter o direito de pleitear a entrada no programa como colaborador, o mesmo deve ter ND igual ou superior a 16. A entrada de docente no programa deve ser aprovada pelo colegiado em votação secreta.

Aprovado em pelo colegiado do PPEQ em 20/12/2013.

OBS1: as normas podem ser vistas também no link https://goo.gl/BEQydp (quando a página abrir, clique em BAIXAR)

OBS2: uma planilha em Excel com a fórmula para o cômputo da nota do docente segundo as normas do PPEQ pode ser encontrada em http://goo.gl/cviy0i (quando a página abrir, clique em BAIXAR)

Acesso à informação
Transparência Pública

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Alto Universitário, s/nº - Guararema, Alegre - ES | CEP 29500-000